Skip Navigation Links

26/02/2020 -  Confira informações e esclareça dúvidas sobre o coronavírus


Em razão do surgimento de casos de pessoas infectadas pelo coronavírus em diversos países, que serviram de alerta para o mundo todo, a São Paulo Previdência reuniu as principais informações e dúvidas sobre o assunto, visando tranquilizar e orientar os servidores ativos, aposentados e pensionistas do Estado de São Paulo sobre medidas que podem ser adotadas para evitar a contaminação e a transmissão do referido vírus.

Abaixo, saiba mais sobre o coronavírus.


Origem do coronavírus

De acordo com o Ministério da Saúde, os primeiros coronavírus foram identificados por volta da década de 1960.

Esta recente variação viral, que tem causado infecções respiratórias em humanos e animais, dentre outros sintomas, principalmente na China, também faz parte da família coronavírus, que é considerada uma grande família viral.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) nomeou esta nova versão infecciosa do coronavírus como "Doença Respiratória de 2019-nCoV". Ainda não se descobriu como ocorreu a mutação dessa variação viral.


Surgimento dos primeiros casos do novo coronavírus

O primeiro alerta emitido pela OMS foi feito em 31 de dezembro de 2019, em Wuhan, metrópole chinesa com 11 milhões de habitantes.

Na data, autoridades chinesas identificaram diversos casos de pessoas afetadas por uma misteriosa pneumonia na cidade mencionada.


Transmissão

Segundo o Ministério da Saúde, ainda não se sabe como ocorreu a primeira transmissão desta variação viral para humanos. As investigações sobre a sua proliferação ainda estão em andamento.

Porém, diante da contaminação que está ocorrendo de pessoa para pessoa ao redor do mundo, é importante destacar alguns meios de transmissão dessa variação viral, que pode ocorrer pelo ar ou por contato com secreções contaminadas.

De acordo com o Ministério da Saúde, “os coronavírus apresentam uma transmissão menos intensa que o vírus da gripe e, portanto, o risco de maior circulação mundial é menor”.

Ainda segundo o Ministério, “o vírus pode ficar incubado por duas semanas, período em que os primeiros sintomas levam para aparecer desde a infecção”.


Sintomas e diagnóstico

Os principais sintomas são febre, tosse e dificuldade para respirar, ou seja, um quadro clínico semelhante a um resfriado. Em casos mais graves, há também a possibilidade de infecção do trato respiratório inferior, como é o caso do surgimento de pneumonia, insuficiência renal e síndrome respiratória aguda grave.


Medidas preventivas

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o novo coronavírus. Entre as medidas estão:

- Evitar contato próximo com pessoas que sofrem de infecções respiratórias agudas e também que tenham viajado para áreas com casos confirmados do coronavírus;

- Realizar lavagem frequente das mãos, especialmente após contato direto com pessoas doentes;

- Utilizar lenço descartável para higiene nasal;

- Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir;

- Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca;

- Higienizar as mãos após tossir ou espirrar;

- Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas;

- Manter os ambientes bem ventilados;

- Evitar contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas da doença;

- Evitar contato próximo com animais selvagens e animais doentes em fazendas ou criações.


Ações que estão sendo realizadas

O Governo do Estado de São Paulo criou um Plano de Risco e Resposta Rápida para a recente variação viral do coronavírus.

Para saber mais sobre a ação, que inclui serviços de vigilância e monitoramento desenvolvidos para eventuais suspeitas, clique aqui.

Para obter mais informações sobre o assunto, como tratamento, orientações de viagem e algumas restrições internacionais, acesse: https://saude.gov.br/saude-de-a-z/novocoronavirus.

 


IMPRIMIR Voltar